fbpx
segunda-feira, setembro 16
Infiltrado na Klan

Infiltrado na Klan: uma história surpreendente

Baseado em uma história verdadeira e com um tom claro na luta contra o racismo, o filme Infiltrado na Klan mostra a genialidade de um policial negro que consegue se tornar líder da seita supremacista, Ku Klux Klan, na década de 1970.
2
344

No final da década de 1970, Ron Stallworth, se torna o primeiro policial negro da cidade de Colorado Springs. Após passar um bom tempo no almoxarifado, ele embarca em uma missão diferente para investigar um caso de cunho social: os crimes racistas da seita Ku Klux Klan.

Esse é o enredo para a trama baseada em fatos reais do filme Infiltrado na Klan ou BlackKklansman, em inglês.

Cartaz Infiltrado na Kran

Cartaz de divulgação de Infiltrado na Klan, 2018.

Ron começa a investigar a seita supremacista Ku Klux Klan na cidade e, depois de alguns meses, começa a ter uma relação mais íntima com seus líderes e consegue se tornar um membro importante do grupo. A Ku Klux Klan é uma organização terrorista criada ao final do século XIX, depois da Guerra de Secessão, por ex-soldados confederados do sul que lutaram para manter a escravidão no país e foram derrotados.

John David Washington - ligando para a Kran

Ator John David Washington interpretando Ron Stallworth em Infiltrado na Klan. Fonte: IMDB.

O objetivo da seita era perseguir, promover linchamentos e assassinatos contra afro-americanos e seus defensores. O grupo existe até os dias atuais, porém mais enfraquecido.

Toda a história é baseada em fatos reais, muita coisa realmente aconteceu, mas nem tudo tem 100% de veracidade. O nome original é BlackkKlansman e o filme se demonstra sarcástico e irônico do início ao fim.


O roteiro precisou ser adaptado com base no livro do próprio Ron Stallworth, “Black Klansman: a memoir”, traduzido como “Infiltrado na Klan”.

Produzido em 2018, sob a direção de Spike Lee, o elenco conta com os atores John David Washington (Ron Stallworth), Adam Driver (Flip Zimmerman), Laura Harrier (Patrice), Topher Grace (David Duke), Jasper Pääkkönen (Félix) entre outros.

Spike Lee, - diretor

Spike Lee, diretor de Infiltrado na Klan, 2018. Fonte: Hypeness.

Quem foi Ron Stallworth?

O policial negro que conseguiu se infiltrar na Klan, e chegou até a receber uma carteirinha de membro do grupo, entrou para a corporação em novembro de 1977.

Em entrevista para a BBC em 2017, Ron Stallworth disse que 

sempre quis ser policial e que seu primeiro caso foi monitorar uma conversa de um membro do Panteras Negras.

Ele conta que o que ouvia fazia sentido para ele, mas ao mesmo tempo, como policial, as palavras iam de encontro ao que representava.

Ron Stallworth, o policial que chegou a ser membro da Ku Klux Klan.

O verdadeiro Ron Stallworth, o policial que chegou a ser membro da Ku Klux Klan.

Como um negro conseguiu se tornar um infiltrado na klan?

Se não fosse verdade, o filme pareceria absurdo. Contextualizado no final da década de 1970, com figurino e cenário impecáveis, além de uma excelente trilha sonora, ele conta a história do primeiro policial negro na corporação da cidade e sua empreitada contra o racismo da Ku Klux Klan.

Ron Stallworth se comunicava com os membros por meio de telefonemas e cartas.  Ele começou realizando longas ligações telefônicas aos líderes da Ku Klux Klan de Colorado Springs.

Depois disso, acionou sua corporação para treinar um policial branco para que pudesse interpretá-lo durante as reuniões do grupo. Quando precisava estar presente, ele enviava Flip Zimmerman, policial branco e judeu.

Flip Zimmerman, à esquerda, e John David Washington

O ator Adam Driver no papel de Flip Zimmerman, à esquerda, e John David Washington no papel de Ron Stallworth, à direita. Fonte: BBC.

Após se tornar um dos líderes da seita, ele consegue sabotar diversas ações, linchamentos e outros crimes de ódio planejados pelo grupo.

Carteirinha da Ku klux Klan de Ron Stallworth

Carteirinha da Ku Klux Klan de Ron Stallworth. Fonte: IMDB.

Tanto Ron quanto Flip acabam correndo sérios riscos de vida ao se infiltrarem em uma organização fortemente armada.

O descobrimento de uma causa

O policial Ron Stallworth era uma pessoa alheia à luta contra o racismo. Não se preocupava com a história e os direitos dos negros em seu país.

Porém, quando começa a investigar o grupo criminoso supremacista, Ron inicia uma jornada de descobrimento que o leva ao engajamento pelos direitos dos negros nos Estados Unidos.

Da mesma forma, Flip é um homem branco que nunca se preocupou com o preconceito e o racismo, pois nunca sofreu com isso. Mas quando ele se infiltrou na Ku Klux Klan, começou a refletir sobre sua origem judia e sobre o racismo.

Com isso, o diretor Spike Lee demonstra que o desinteresse das pessoas na luta pelos direitos civis e igualdade de raça pode se voltar contra si mesmo. E as pessoas geralmente só percebem isso quando sentem o problema na pele.

O filme mostra no início um Ron subjugado e alheio, mas que  termina de cabeça erguida e confiante de seu papel na sociedade.

Crítica para ambos os lados

É interessante notar que o filme faz uma dura crítica ao pensamento racista e supremacista nos Estados Unidos, mas ao mesmo tempo também não perdoa a falta de diálogo do lado daqueles que lutam pelos direitos dos negros.

Ron, por muitas vezes fica num meio termo entre lados radicais e precisa mentir para ambos os lados para seguir sua investigação.

A força política do filme está no fato de que ele não vangloria o herói nem ridiculariza o adversário.

A atualidade de Infiltrado na Klan

Apesar de ser inspirado em uma história do final da década de 1970, o filme mostra passagens que facilmente, e infelizmente, poderiam ser vivenciadas nos dias atuais onde a pós-verdade tem prevalecido.

Veja também

É possível ver um diálogo, por exemplo, em que um membro da Ku Klux Klan afirma que o Holocausto foi uma grande mentira e que os meios de comunicação escondem a verdadeira história, soando como se fosse uma teoria da conspiração.

Não estamos tão distantes assim quando vemos a quantidade de fake news disseminadas na sociedade. Essa é apenas uma das passagens em que Spike Lee mostra que o ódio e o preconceito dependem da desinformação para se disseminar.

Infiltrado na Klan está recheado de cenas onde o preconceito se apresenta de forma caricata e bastante clara. Mas o que parece loucura, na verdade é um retrato muito próximo da nossa realidade atual.

No início apresentam-se cenas do pós-Guerra de Secessão e também do filme “O Nascimento de uma Nação”, de 1915, que possui um tom extremamente racista, mostrando a Ku Klux Klan como heróis da nação.

As cenas finais mostram um grupo que convocou uma manifestação racista e supremacista em Charlottesville, na Virgínia, onde uma pessoa morreu e diversas ficaram feridas.

Manifestação Supremacista nos Estados Unidos

Supremacistas com bandeiras dos Estados Confederados e do Nazismo em Charlottesville, Virgínia, 2017. Fonte: Poder 360.

Com isso, Spike Lee pega pesado no tema atual das questões raciais nos Estados Unidos e a importância da luta por direitos civis.

Uma obra digna de prêmios

Infiltrado na Klan foi aplaudido de pé no Festival de Cannes, em 2019. E não é pra menos. O filme provou ser potente, misturou humor com crítica ácida, sobre um tema atual.

Não é a toa que levou grandes prêmios pelo mundo. Confira:

Da uma olhada no trailer de Infiltrado na Klan

Muito bem ambientalizado na década de 1970, o diretor Spike Lee conseguiu unir uma dura crítica ao racismo com uma pegada de humor, sem tirar importância do debate sobre o tema.

Todo o cenário e o figurino foram muito bem produzidos e com uma trilha sonora marcante.

Realmente, vale a pena tirar uma “sexta” ou um “sábado” a noite para assisti-lo.

Acesse o NOW, pegue a pipoca e dê o “play”. Se você ainda não tem o NOW, entre em contato com a NET.

E se você gosta de filmes baseados em histórias reais, leia o nosso artigo com 5 filmes baseados em histtórias reais de mulheres excepecionais.

Um filme inflamável8.9
8.9
Spike Lee se superou mais uma vez. Combinou ironia, humor e drama com uma temática relevante e atual.
Avaliações dos leitores: (1 Avaliar)9.7